20 Outubro 2019

Fim da Lei Kandir: 10 respostas sobre como o produtor será prejudicado

Escrito por 
Avalie este item
(0 votos)

O agronegócio brasileiro passa por um momento de apreensão. Desde o início do ano, o Congresso Nacional discute a suspensão da , que isenta o Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) das exportação de produtos primários. De acordo com o coordenador econômico da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), Renato Conchon, os reflexos de um eventual fim da lei teriam resultados catastróficos para os produtores rurais, para o agronegócio nacional e para o Brasil como um todo.

Na tentativa de manutenção da Lei Kandir, a CNA e as federações da agricultura fazem esforço de conscientização dos parlamentares. O trabalho passa pela apresentação de estudos que comprovam a importância da lei para a locomotiva do agronegócio, que puxa a economia do país nos últimos anos. “É preciso uma ação coordenada para a manutenção da competitividade do Brasil”, destaca Conchon. 

Confira uma entrevista completa, realizada pela Federação da Agricultura do Estado do Paraná (Faep) com o coordenador econômico da CNA, que aponta os prováveis reflexos negativos da suspensão da Lei Kandir. 

A Lei Kandir faz parte de um arcabouço legal que permitiu a estabilidade econômica brasileira. Em 1994, o Plano Real foi instituído, e para que se sustentasse era necessário criar superávits da balança comercial brasileira. Esse superávit só viria se o Brasil exportasse mais. Por isso, em 1996 a Lei Kandir foi promulgada desonerando os tributos sobre as exportações de produtos básicos ou semielaborados. A partir daí houve um aumento das exportações brasileiras. Importante destacar que a desoneração de tributos sobre exportações é o padrão no comércio internacional, ou seja, nenhum país se insere nos mercados globais ‘exportando tributos’. 

Com certeza! A Lei Kandir permitiu que os produtos agropecuários brasileiros se inserissem no mercado internacional de maneira mais competitiva. Na sequência, o setor, dada a sua natural aptidão, alavancou a produção e suas exportações. A Lei Kandir, após a estabilidade trazida pelo Plano Real, sem sombra de dúvidas, foi a alavanca que o setor precisava para se tornar um dos setores mais dinâmicos da economia nacional, e um dos principais fornecedores de alimentos para o mundo.

Não, sem a Lei Kandir o Brasil irá retroceder no mercado internacional pelo menos 25 anos. O Brasil sofrerá impactos macroeconômicos significativos, com a redução das exportações e do superávit na balança comercial, e no câmbio. O setor agropecuário, por sua vez, terá uma consecutiva redução do faturamento. Os produtores sofrerão uma redução nas receitas, uma vez que o aumento tributário será repassado diretamente a eles, pois, para as commodities, somos tomadores de preços. 

A CNA elaborou material técnico e distribuiu aos parlamentares e ao governo federal, com os impactos que uma possível revogação da Lei Kandir traria para a economia brasileira e para os produtores rurais. No estudo, foi apresentado que a competitividade dos produtos brasileiros no mercado internacional teria efeito na redução das margens dos exportadores e, em alguns casos, inviabilizando as exportações.

Para produtos que não são commodities, ou seja, havendo uma possibilidade de os exportadores repassarem os aumentos dos custos tributários aos compradores internacionais, para três produtos analisados (celulose, carne suína e melões frescos), nossos principais competidores globais passariam a ter preços menores que o nosso. A possibilidade de perda de mercados está estimada em US$ 6,2 bilhões, o equivalente a aproximadamente 6% das nossas exportações em 2018. 

Outro impacto estimado seria a redução dos preços das commodities pagos aos produtores rurais. Segundo o estudo, o preço da saca de soja pago aos produtores da região de Cascavel (PR) poderia cair até 23% no prazo de 12 meses. Seria uma catástrofe aos produtores em todo o Brasil. Essa redução dos preços pagos aos produtores teria outro impacto na sequência, que seria a redução do faturamento do setor. O Valor Bruto da Produção (VBP) poderá cair até 8,1%, o que significa menos renda circulando no Brasil. 

Todos os exportadores seriam prejudicados com a revogação da Lei Kandir, mas os produtores de commodities (soja, milho, café) seriam, sem sombra de dúvidas, os mais prejudicados. 

Sim, o VBP poderá cair 8,1%. Em termos reais, significa que aproximadamente R$ 47,9 bilhões deixarão de entrar na renda dos produtores e nos caixas do governo. Isso significa menos renda circulando nos municípios. O comércio local das principais cidades agrícolas será afetado negativamente em todo o Brasil. No Paraná, onde a agropecuária possui papel relevante na economia regional seria um grande retrocesso se essa medida prosperasse. 

Uma possível revogação da Lei Kandir prejudicará muito a economia nacional com a redução das exportações em até 6%, conforme o estudo da CNA. No momento que estamos discutindo acordos comerciais tão importantes para a economia brasileira, como o recente acordo Mercosul/União Europeia, no qual haverá transação de mercadorias sem incidência tributos entre os países, justamente neste momento estamos querendo tributar nossas exportações. Será uma catástrofe causada pela irresponsabilidade! Nossos produtos agropecuários serão menos competitivos aqui dentro que os exportados pela União Europeia, pois além de não tributar as exportações, fornece subsídios agrícolas para os produtores europeus. 

A CNA está atuando junto ao Congresso Nacional e ao governo federal, para que parlamentares que estão propondo a revogação da lei não sigam com essa proposta incoerente. Já conversamos com o autor da Proposta de Emenda Constitucional (PEC) e com o relator da PEC no Senado. Além dessas reuniões, a CNA vem atuando junto a Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA), para sensibilizar os demais parlamentares em não permitirem que a proposta siga adiante.

Além de tratar com o Congresso, a CNA se reuniu com o Ministro da Economia, Paulo Guedes, e com o secretário de Assuntos Internacionais, Marcos Troyjo, para apresentar as preocupações do setor quanto ao tema. As federações estão articulando com os parlamentares do seu estado. Estas ações coordenadas visam sensibilizar o máximo de parlamentares no sentido de manter a Lei Kandir como está atualmente, para o bem do agronegócio, para o bem do Brasil. 

Nas conversas com os representantes do governo federal ficou claro que a medida vai em sentido contrário ao que a equipe econômica defende, que seria a liberalização e a internacionalização da economia. O ministro Paulo Guedes e o secretário Marcos Troyjo afirmaram que seria um prejuízo muito grande ao país caso a medida prospere. Lembraram ainda que as propostas que estão sendo discutidas neste momento são de iniciativa do Congresso Nacional e não do Poder Executivo.

Estamos trabalhando incansavelmente para que a lei seja mantida. Não podemos retroceder nas medidas econômicas que fizeram com o que Brasil fosse competitivo no mercado global. O agronegócio brasileiro depende da Lei Kandir para continuar sendo protagonista no mundo, o Brasil depende da Lei Kandir para manter sua estabilidade macroeconômica. Não vamos retroceder na defesa dos interesses da nação.


Fonte Canal Rural

Mais Notícias

Soja: São Paulo deve registrar maior aumento de produção do país

17-11-2019

Soja: São Paulo deve registrar maior aumento de produção do país

A produção de soja em São Paulo tem potencial para crescer 21% nesta safra, segundo o último levantamento da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab). A expedição do Projeto Soja Brasil visitou a região sudoeste do estado para entender o motivo desse grande aumento.Ano após ano, a soja vem ocupando cada vez mais espaço na propriedade de Marcos A...

Leia mais...

Integração Lavoura-Pecuária-Floresta pode poupar até 2 milhões de hectares

17-11-2019

Integração Lavoura-Pecuária-Floresta pode poupar até 2 milhões de hectares

Quase 2,5 milhões de hectares de terras de uso agropecuário poderiam ser poupadas em Mato Grosso se metade das áreas de sojicultura e de pecuária de corte no estado fossem convertidas em integração lavoura-pecuária-floresta (ILPF), de acordo com a Embrapa. Isso ocorreria porque as produtividades, tanto a da como a da pecuária, aumentam em sistemas...

Leia mais...

Criança é achada por drone em plantação de milho após 22 horas desaparecida

17-11-2019

Criança é achada por drone em plantação de milho após 22 horas desaparecida

Era 16 de outubro, quando Steve Fines, um homem norte-americano de meia idade, se deparou com uma publicação feita pelo Xerife do Condado de Sherburne (EUA) em uma rede social, pedindo ajuda à moradores locais para localizar Ethan Haus, um garoto de 6 anos que havia desaparecido após entrar com seu cachorro em uma plantação de milho. Fines, que é f...

Leia mais...

Saiba a tendência para a arroba do boi gordo em 2020! 

17-11-2019

Saiba a tendência para a arroba do boi gordo em 2020! 

Nesta semana, o preço da arroba do boi gordo atingiu o maior preço da história, puxado por alguns fatores como demanda chinesa, pouca oferta de animais, entre outros. Mas até quando essa alta vai se manter? Confira uma análise completa feita por analistas e entenda o que tem movimentado o mercado.Veja também nas notícias mais lidas da semana a hist...

Leia mais...

Milho: saiba o que pode mexer com o mercado nesta semana

17-11-2019

Milho: saiba o que pode mexer com o mercado nesta semana

O mercado de permanece observando as questões envolvendo o clima no Meio-Oeste norte-americano. Essa preocupação se torna mais evidente em um ambiente de atraso do trabalho de campo. Mesmo com alguns modelos climáticos apontando para elevação das temperaturas em alguns estados, o quadro segue preocupante. Acompanhe abaixo os fatos que deverão mere...

Leia mais...

John Deere apresenta trator autônomo e drone gigante em feira europeia

16-11-2019

John Deere apresenta trator autônomo e drone gigante em feira europeia

A fabricante de equipamentos agrícolas norte-americana John Deere apresentou nesta semana, durante a durante a Agritechnica, principal feira mundial de tecnologia agrícola do mundo e realizada em Hanover, na Alemanha, algumas das novidades que podem chegar aos campos em um futuro não muito distante. Um dos equipamentos mais aguardados e que foi apr...

Leia mais...

Operação prende nove pessoas envolvidas em roubo de defensivos em MT

16-11-2019

Operação prende nove pessoas envolvidas em roubo de defensivos em MT

Nove pessoas foram presas preventivamente nesta semana em Mato Grosso na operação Camuflagem II, realizada nos municípios de Sorriso, Nova Mutum, Lucas do Rio Verde, Sinop, São José do Rio Claro, Canarana e Cuiabá. Foram apreendidos também  munições, réplicas de armas, grande quantidade de defensivos agrícolas, documentos, balaclavas e roupas camuf...

Leia mais...

Dicamba no Brasil? Veja o que a pesquisa já testou e deve recomendar

16-11-2019

Dicamba no Brasil? Veja o que a pesquisa já testou e deve recomendar

A resistência das plantas daninhas aos agroquímicos atuais tem tirado o sono e os lucros do produtor rural brasileiro. Na soja estima-se que as perdas superem os R$ 9 bilhões por ano, segundo a Embrapa. O lançamento de um novo herbicida, o dicamba, pode estar próximo, mas ainda gera dúvidas sobre sua segurança, principalmente em relação à culturas ...

Leia mais...

Vacas levadas por furacão nos EUA são encontradas vivas semanas depois

16-11-2019

Vacas levadas por furacão nos EUA são encontradas vivas semanas depois

Pelo menos três vacas dadas como mortas por seus criadores após a passagem do furacão Dorian, que atingiu o estado norte-americano da Carolina do Norte na primeira semana de setembro foram encontradas com vida nos últimos dias.Segundo autoridades, os ventos levaram um grupo de cavalos e vacas para o mar e, três desses animais foram recentemente des...

Leia mais...