19 Setembro 2020

Veja dicas para garantir a alimentação do gado no período de seca

Escrito por 
Avalie este item
(0 votos)

Produtores de todo o Brasil têm passado dificuldades diante de um dos piores períodos de seca dos últimos anos. Para passar esse tempo sem maior desafios, é recomendado adotar medidas emergenciais e investir em ações de médio prazo a partir de outubro.

“A seca tem sido severa e, mesmo aqueles produtores que tinham feito um planejamento prévio, passaram ou estão passando por dificuldades com a falta de comida para os rebanhos neste período. Mesmo em áreas de pastejo rotacionado, com piquetes irrigados e adubados, faltam temperatura e luminosidade ideais para o bom crescimento e produção do capim”, diz o médico veterinário da Secretaria de Agricultura e Abastecimento de São Paulo, que atua na Coordenadoria de Desenvolvimento Rural Sustentável (CDRS), Ricardo dos Santos da Silva.

Ainda segundo o médico, para que animais tenham o bem-estar e não ocorram perdas de peso e capacidade produtiva, é ideal é fazer a complementação de alimentação com volumosos, ou seja, capineiras, silagem e pasto, ou concentrados.

Ricardo ainda orienta os produtores a investir em ações no período das chuvas, para minimizar os efeitos da seca. “Investir no plantio de forrageiras no período das águas é a chave para que no momento de seca os animais tenham alimentação balanceada e em quantidade para seu crescimento e bem-estar. Por isso, agora é a hora do produtor conversar com o técnico da sua região e comparar os prós e contras do uso de cada componente de alimentação do rebanho, analisar os custos de implantação e definir a quantidade de matéria-verde necessária para atravessar a seca com margens de sobra e suplementar as pastagens que poderão ter menor produtividade, pois haverá seca todos os anos e necessidade de suplementação com volumoso”, explica.

O produtor de leite Eder Augusto Duarte, que tem seguido as recomendações do extensionista, relata que a aprendizagem mostrou resultado. “Há mais de dois anos conto com o acompanhamento técnico da CDRS, pois faço parte de um projeto para melhorar a qualidade e quantidade de leite, conduzido pelo Ricardo. Adotei as metodologias indicadas, como o pastejo rotacionado com irrigação, que preconiza a divisão em piquetes; na minha área são três módulos com variedades de capim Tifton, Mombaça e Quênia. Por conta desse período de estiagem ser mais intenso, só o pasto não dá conta, por isso complemento a alimentação com silagem de sorgo, que no momento preciso comprar, pois não tenho área plantada”.

“Como já tinha sido orientado e capacitado pelos técnicos, fui prevenido e comprei uma boa quantidade de silagem no mês de fevereiro, prensei os fardos com trator, passei inoculante e armazenei em silos. Paguei R$ 110,00 a tonelada, que hoje está custando mais de R$ 200,00, além de estar mais difícil de encontrar, por conta das seca e da pandemia. Com essa prevenção, tive um custo bem menor’, completa.

O produtor de gado de corte Orivaldo Rosa que também segue as orientações da coordenadoria. “Adotar as medidas recomendadas pelos técnicos da CDRS foi o que diminuiu os impactos da seca na minha atividade. Hoje, eu tenho 35 cabeças que estão sendo alimentadas com capim seco no cocho e suplementação de sal proteinado e quirela de milho. No começo desse período de seca, eu estava dando aos animais apenas o sal proteinado, gastando 1 kg por dia, o que aumentou os custos de produção. Com a orientação do Ricardo, incluí a quirela, que é bem mais barata; hoje, uso apenas 400 gramas de sal proteinado, o que fez o custo cair pela metade e o gado ganhar em bem-estar e desenvolvimento”.

As ações desenvolvidas nas propriedades fazem parte de uma ação coordenada com as Casas de Agricultura, por meio de um projeto de extensão rural voltado à adoção de tecnologias de produção e manejo na pecuária, cuja metodologia ultrapassa as fronteiras do desenvolvimento do rebanho, agregando a conservação dos recursos naturais e combate à degradação do solo nas áreas de pastagem.

No período de seca, deve-se analisar não somente os alimentos, mas também questões técnicas, como mão de obra, equipamentos disponíveis e a pluviometria local. “Antes de adotar um ou outro alimento, o produtor precisa saber que os teores de produção por hectare, proteína bruta (PB) e energia (Nutrientes Digestíveis Total – NDT), são muito variáveis, de acordo com a adubação, a fertilidade do solo e as variedades. Além disso, ele deve ter em mente que, mais importante do que o material a ser utilizado, é, junto com um técnico experiente, definir qual deles vai atender melhor à sua realidade e de seus animais”, afirma Ricardo.

Entre os alimentos mais usados durante a seca,  o milho é de excelente qualidade, com teores de proteína (7 a 8% PB) e energia (65 a 68% NDT), além de atender às necessidades até de vacas de leite de alta produção. Um material semelhante ao milho é o sorgo, com menor déficit hídrico, permitindo produzir com chuvas irregulares e aproveitar a rebrota, sem a necessidade de replantio.

Outra opção é a cana-de-açúcar, com média de 80 toneladas por hectare/ano, entre vários anos de corte.  “Sua maior vantagem é ser uma ‘poupança’ de volumoso em pé (que também pode ser ensilado), permitindo uma ‘janela’ de corte mais longa que a das outras capineiras. Dentre as variedades mencionadas, é a mais pobre em proteína bruta (2% PB e 60% NDT), o que exige uma correção dessa deficiência com uso de concentrado ou ureia. Mas, por ser um elemento energético, atende muito bem animais de baixa produção ou gado de corte, com pequenos ajustes, usando fontes de nitrogênio não proteico, como a ureia. Sua principal desvantagem é a necessidade de equipamentos para ser triturada, sejam trituradores estacionários ou implementos acoplados a tratores, que cortem a cana na roça”, explica Ricardo.


Fonte Canal Rural

Mais Notícias

Serviço de inteligência mapeia propriedades e prende agroquímicos ilegais em MS

25-10-2020

O serviço de BI (Inteligência de Negócios, em inglês) e de fiscalização da Agência Estadual de Defesa Sanitária Animal e Vegetal (Iagro) auxiliou no planejamento das operações Ronda Agro e Hórus, desencadeadas nesta semana  pelas autoridades de vigilância sanitária e de segurança pública da União e do governo de Mato Grosso do Sul para a apreensão ...

Leia mais...

ASSISTA AGORA Canal Rural News: perspectivas e desafios da avicultura

25-10-2020

O Canal Rural News deste domingo, 25, debaterá sobre as perspectivas e desafios da avicultura. Com custos de produção em alta e exportações em queda no comparativo de setembro, o Canal Rural News conversa nesta noite de domingo, dia 25, sobre os desafios e as perspectivas para o mercado de aves.O comentarista do Canal Rural Miguel Daoud é quem coma...

Leia mais...

‘Ferrogrão será balizadora do frete em Mato Grosso’, avalia Movimento Pró-Logística

25-10-2020

A ambiciosa política de concessões do governo federal e os efeitos práticos na redução do custo logístico para o agro foram tema do programa Direto ao Ponto deste domingo, 25. O programa prevê a aplicação de investimentos privados de quase R$ 250 bilhões até 2022 em todos os modais de transporte. Para o setor agropecuário, os projetos de maior impa...

Leia mais...

Confira a previsão do tempo para esta segunda e terça-feira

25-10-2020

Semana começa com muitas chuvas em vários estados do país, ampliadas por conta de um ciclone. Veja a previsão!Um ciclone extratropical está trazendo muitas chuvas para boa parte do país neste dois primeiros dias da semana. No Sul e Sudeste do país há chance até para queda de granizo. No Centro-Oeste e Nordeste também deve chover bastante.SULNesta s...

Leia mais...

´Sem paraquat, agricultura acumulará aumento de custos e calendário de plantio será prejudicado’, af…

25-10-2020

Após o Ministério da Agricultura anunciar , os produtores brasileiros podem enfrentar dificuldades para o andamento da safra agrícola 2020/21. A avaliação é feita pelo comentarista Benedito Rosa.“A supressão do herbicida acumulará em aumento de custos e vai prejudicar o nosso calendário de plantio, especialmente em sistemas de plantio direto ...

Leia mais...

Você viu? Conheça os capins que podem matar cavalos e como manejá-los corretamente

25-10-2020

Além das cólicas e da acidose, os volumosos, quando mal manejados, podem levar até à morte o seu cavalo. O alerta sobre o trato alimentar adequado para os animais da tropa foi tema central de mais um episódio da série especial de reportagens do Giro do Boi sobre cavalos.Essa foi a notícia mais lida semana sobre pecuária no portal do Canal Rural. Ab...

Leia mais...

Terra Indígena recebe Indicação Geográfica por cultivo de guaraná

25-10-2020

O Instituto Nacional da Propriedade Intelectual (Inpi) reconheceu na última semana a Terra Indígena Andirá-Marau como Indicação Geográfica (IG) de origem concedida a um povo indígena, na espécie Denominação de Origem, para dois produtos nativos: o waraná (guaraná) e o pão de waraná (bastão de waraná).O guaraná nativo, conhecido como wanará pelos Sa...

Leia mais...

Confira os fatores que devem mexer com o mercado do milho na próxima semana

25-10-2020

 O mercado do milho vive um momento de preços altos, tanto a nível interno, quanto no mercado internacional. O tamanho da colheita nos Estados Unidos deverá chamar atenção dos produtores na próxima semana. No Brasil, o foco passa a ser o andamento do plantio da safra de verão.Acompanhe abaixo os fatos que deverão merecer a atenção do mercado d...

Leia mais...

Veja a previsão do tempo para todo o Brasil até janeiro

25-10-2020

Nesta reportagem especial, você vai entender como a chuva deve se comportar neste ano que tem a influência do fenômeno La NiñaO fim do ano se aproxima e com ele a consolidação do fenômeno La Niña, que terá efeitos significativos na quantidade de chuva que deve cair no Brasil neste final de primavera e início de verão.Para entender como a regularida...

Leia mais...