30 Setembro 2020

Pecuaristas dizem que legislação no Pantanal é causa da tragédia ecológica

Escrito por 
Avalie este item
(0 votos)

Revoltados com a acusação de responsáveis pelos incêndios dentro do Pantanal, pecuaristas abrem a porteira para mostrar que também são vítimas. O setor aponta a atual legislação ambiental estadual imposta dentro do bioma como a principal causa da tragédia ecológica e econômica.

A atividade da pecuária no Pantanal existe há mais de 300 anos. Na década de 1940, mais de 80% do rebanho bovino do estado de Mato Grosso se concentrava no território dos municípios do bioma. De lá para cá, no entanto, alguns fatores mudaram essa característica e isso deixou de ser uma realidade. Atualmente, menos de 400 mil animais ocupam essas áreas.

“É um berço ainda de cria, mas nós temos índices zootécnicos muito inferiores ao restante do estado porque o bioma ele proíbe a adoção de grandes tecnologias”, disse Daniela Bueno, diretora-executiva da Associação dos Criadores de Mato Grosso (Acrimat).

Essa mudança na região foi vivenciada pelo pecuaristas Ricardo Arruda, que explica como a pecuária na região foi se modificando. “Com o passar dos anos isso foi acontecendo. O gado foi subindo para as áreas de cerrado e, depois, começou a ocupar as áreas de floresta. A ocupação do bioma floresta é uma realidade, mas foi deixando o Pantanal, quando olhamos os municípios que compõem o bioma Pantanal, esse rebanho vem crescendo ou mesmo com tendência de uma leve estagnação, mas quando fazemos um recorte e olhamos única e exclusivamente dentro desses municípios, as áreas que é Pantanal de fato, menos de 15% desse rebanho desses municípios está nessas áreas de Pantanal. Isso mostra o que estamos falando, a falta do gado no Pantanal”.

A indignação dos pecuaristas pantaneiros é com o rigor da atual legislação ambiental estadual vigente há 12 anos. Segundo o setor produtivo, isso impossibilita o manejo das áreas e um dos resultados é a existência de muitas propriedades abandonadas ou abaixo da sua capacidade de produção.

“Teve uma época que não podia nem criar o gado. Agora,  pode criar o gado, mas você não pode limpar o pasto, você não pode usar o  fogo controlado, você não pode formar pastagem naquelas áreas ruins. Então, essas áreas só vão acumulando matérias orgânicas e essa matéria orgânica é altamente combustível, pegando fogo com muita facilidade e você não tem controle dele. O  pantanal é um bioma diferente, não se pode trazer leis de outros biomas e querer colocar aqui como foi colocado, então isso é incompatível para a nossa realidade. Em 1940, 1950 E 1960 era ‘povoado’ de gado, hoje o Pantanal está deserto e o homem pantaneiro está indo embora”, desabafou o pecuarista Cristóvão Afonso da Silva.

A nossa equipe visitou a região e acompanhou de perto algumas das propriedades abandonadas. O cenário é desolador, com muitos obstáculos, dificuldade de acesso e vegetação seca. Alvo fácil para a propagação do fogo

“A ausência do proprietário nos dificulta porque, nós bombeiros e toda a operação, necessitamos do apoio também dos fazendeiros em uma área privada. Eles têm co-responsabilidade de evitar que os incêndios avancem nas suas propriedades, não só do estado mas também deles, se possível nos apoiar com equipamento, logística e mão de obra para, de forma integrada, poder conter esses incêndios que ocorrem no bioma Pantanal”, ressaltou o tenente-coronel do Corpo de Bombeiros Jean Oliveira.

Já quem não consegue fazer a limpeza por causa da legislação está preocupado e indignado com o excesso de rigor ambiental.

“O pantanal é tido como uma área de uso restrito. E o que é uso restrito? O que se pode fazer em uma área de uso restrito? Uso restrito não é uso impeditivo, então a gente precisa ter como saber o que, como fazer e pra que fazer um manejo, para que a gente possa explorar de forma sustentável o bioma Pantanal. O Pantanal é o bioma mais preservado do Brasil e 95% das áreas no bioma Pantanal estão nas propriedades particulares, o pecuarista é o maior responsável pela preservação do Pantanal, são gerações e gerações de famílias que, infelizmente, estão convidadas a se retirar com um discurso único e exclusivamente ambientalista, preservacionista sem olhar o homem pantaneiro, sem olhar a produção pantaneira, sem respeitar tudo o que já foi feito ali, por esse homem, pelo boi e pelo cavalo pantaneiro, disse Ricardo Arruda, também pecuarista.

Breno Dorileo também é um guardião do meio ambiente que resiste à rígida legislação imposta dentro do bioma. Com muita dificuldade, tenta manter a atividade da cria extensiva, herdada do avô. O rebanho de 2 mil cabeças de gado espalhados pelos 9 mil hectares dividem o mesmo espaço com aves e animais silvestres em total simbiose. O boi bombeiro, como é chamado, também é responsável por eliminar o acúmulo de massa orgânica das áreas de pastagens e evitar risco de incêndios durante o período de seca.   

 

“Melhor vocês verem isso na prática. O pasto bem manejado, baixo e que não tem o perigo de incêndio. É isso que é o Pantanal e é isso que queremos resgatar para o pantanal, do boi pastando, mantendo baixa a vegetação, conservando a biodiversidade dentro dela. Você viu aves, animais, com o boi junto controlando a vegetação sem perigo de incêndios e é isso que queremos, mas essas leis duras que foram impostas ultimamente quebraram a maior parte das fazendas, difícil você achar uma fazenda como está essa aqui, com o gado com o pastejo razoavelmente bem colocado, a maioria da fazenda é totalmente diferente, você tenta fazer tudo 90,100% como manda a lei, mas fica impossível você manter a fazenda limpa sob controle, se não fosse a paixão eu já tinha abandonado, porque o lucro é pouco. A verdade é que o lucro é quase zero, se não mudar as leis não sei se o meus filhos vão dar continuidade aqui, se não acontecer nada acho difícil, Pantanal que foi no passado e que nós queremos para o futuro, o boi, o homem pantaneiro, e mais a fauna e flora tudo em harmonia”.

Daniela Bueno, da Acrimat, explica que a região precisa de políticas públicas para a pecuária voltar ao Pantanal. “Nós temos estudos que mostram que ela precisa estar lá. Esse boi fazendo esse pastoreio diminui consideravelmente essa matéria orgânica que serve de combustível e estas propriedades que estão abandonadas, sem dúvida alguma, aumentam ainda mais os risco de incêndio”.

Esse tema é conversado pela Secretaria de Estado de Meio Ambiente de Mato Grosso e, segundo a titular da pasta, Mauren Lazaretti, é possível que alguma mudança na legislação ocorra. ”Reconhecemos a necessidade de avaliar essa legislação,  tanto que desde 2009 nós já vínhamos discutindo com o setor produtivo e com a Assembleia Legislativa um grupo de trabalho para tratar da temática, tanto que já alinhamos com a Embrapa, Sema e Assembleia um termo de convênio e um plano de trabalho para que a gente consiga rever dentro do reconhecimento científico essa legislação”, disse.

Segundo a secretária, não é apenas a política pública que vai solucionar o problema das queimadas na região. “Temos, de fato, de considerar o comportamento climático. O nosso desafio agora é, a partir desse cenário do conhecimento que nós temos desses eventos e esses fenômenos, estabelecer as medidas emergenciais a médio e longo prazo, para que esse cenário possa ser controlado. Se isso demandar trazer legislação nova, nós faremos, considerando o conhecimento científico e também o conhecimento do pantaneiro. Além disso, precisamos fortalecer as estruturas da região para que combate do próximo ano, que já se mostra inevitável, possa ser realizado com maior eficiência”, finalizou.


Fonte Canal Rural

Mais Notícias

Serviço de inteligência mapeia propriedades e prende agroquímicos ilegais em MS

25-10-2020

O serviço de BI (Inteligência de Negócios, em inglês) e de fiscalização da Agência Estadual de Defesa Sanitária Animal e Vegetal (Iagro) auxiliou no planejamento das operações Ronda Agro e Hórus, desencadeadas nesta semana  pelas autoridades de vigilância sanitária e de segurança pública da União e do governo de Mato Grosso do Sul para a apreensão ...

Leia mais...

ASSISTA AGORA Canal Rural News: perspectivas e desafios da avicultura

25-10-2020

O Canal Rural News deste domingo, 25, debaterá sobre as perspectivas e desafios da avicultura. Com custos de produção em alta e exportações em queda no comparativo de setembro, o Canal Rural News conversa nesta noite de domingo, dia 25, sobre os desafios e as perspectivas para o mercado de aves.O comentarista do Canal Rural Miguel Daoud é quem coma...

Leia mais...

‘Ferrogrão será balizadora do frete em Mato Grosso’, avalia Movimento Pró-Logística

25-10-2020

A ambiciosa política de concessões do governo federal e os efeitos práticos na redução do custo logístico para o agro foram tema do programa Direto ao Ponto deste domingo, 25. O programa prevê a aplicação de investimentos privados de quase R$ 250 bilhões até 2022 em todos os modais de transporte. Para o setor agropecuário, os projetos de maior impa...

Leia mais...

Confira a previsão do tempo para esta segunda e terça-feira

25-10-2020

Semana começa com muitas chuvas em vários estados do país, ampliadas por conta de um ciclone. Veja a previsão!Um ciclone extratropical está trazendo muitas chuvas para boa parte do país neste dois primeiros dias da semana. No Sul e Sudeste do país há chance até para queda de granizo. No Centro-Oeste e Nordeste também deve chover bastante.SULNesta s...

Leia mais...

´Sem paraquat, agricultura acumulará aumento de custos e calendário de plantio será prejudicado’, af…

25-10-2020

Após o Ministério da Agricultura anunciar , os produtores brasileiros podem enfrentar dificuldades para o andamento da safra agrícola 2020/21. A avaliação é feita pelo comentarista Benedito Rosa.“A supressão do herbicida acumulará em aumento de custos e vai prejudicar o nosso calendário de plantio, especialmente em sistemas de plantio direto ...

Leia mais...

Você viu? Conheça os capins que podem matar cavalos e como manejá-los corretamente

25-10-2020

Além das cólicas e da acidose, os volumosos, quando mal manejados, podem levar até à morte o seu cavalo. O alerta sobre o trato alimentar adequado para os animais da tropa foi tema central de mais um episódio da série especial de reportagens do Giro do Boi sobre cavalos.Essa foi a notícia mais lida semana sobre pecuária no portal do Canal Rural. Ab...

Leia mais...

Terra Indígena recebe Indicação Geográfica por cultivo de guaraná

25-10-2020

O Instituto Nacional da Propriedade Intelectual (Inpi) reconheceu na última semana a Terra Indígena Andirá-Marau como Indicação Geográfica (IG) de origem concedida a um povo indígena, na espécie Denominação de Origem, para dois produtos nativos: o waraná (guaraná) e o pão de waraná (bastão de waraná).O guaraná nativo, conhecido como wanará pelos Sa...

Leia mais...

Confira os fatores que devem mexer com o mercado do milho na próxima semana

25-10-2020

 O mercado do milho vive um momento de preços altos, tanto a nível interno, quanto no mercado internacional. O tamanho da colheita nos Estados Unidos deverá chamar atenção dos produtores na próxima semana. No Brasil, o foco passa a ser o andamento do plantio da safra de verão.Acompanhe abaixo os fatos que deverão merecer a atenção do mercado d...

Leia mais...

Veja a previsão do tempo para todo o Brasil até janeiro

25-10-2020

Nesta reportagem especial, você vai entender como a chuva deve se comportar neste ano que tem a influência do fenômeno La NiñaO fim do ano se aproxima e com ele a consolidação do fenômeno La Niña, que terá efeitos significativos na quantidade de chuva que deve cair no Brasil neste final de primavera e início de verão.Para entender como a regularida...

Leia mais...