23 Outubro 2020

Boi gordo: com nova valorização, arroba chega a R$ 271 em São Paulo

Escrito por 
Avalie este item
(0 votos)

Os preços do boi gordo voltaram a subir nesta sexta-feira, 23, em todas as regiões de produção e comercialização do país. Segundo o analista de Safras & Mercado, Fernando Henrique Iglesias, a nova rodada de alta nos preços ocorreu por conta da oferta muito restrita, principalmente de animais que cumprem os requisitos para exportação à China. “Não há indícios de alteração consistente na curva, com todos os fatores apontando o contrário”, diz o analista.

“A demanda doméstica também vai exercer um papel relevante durante o último bimestre, avaliando a entrada do 13º salário, abono de férias e outras bonificações como motivador do consumo. Importante destacar que esse consumo será inferior em relação a anos anteriores, no entanto, será o auge da demanda para este complicado ano de 2020”, assinala Iglesias.

Em São Paulo, Capital, os preços do mercado à vista ficaram em R$ 271 a arroba, ante R$ 269 – R$ 270 na quarta-feira. Em Uberaba, Minas Gerais, os preços ficaram em R$ 265 a arroba, contra R$ 264. Em Dourados, no Mato Grosso do Sul, os valores chegaram a R$ 263 a arroba, contra R$ 261 a arroba. Em Goiânia, Goiás, a cotação bateu R$ 260, ante R$ 254 – R$ 255. Já em Cuiabá, no Mato Grosso, o preço ficou em R$ 251 a arroba, ante R$ 249.

No mercado atacadista, os preços da carne bovina também subiram. De acordo com Iglesias, o indicativo é de aumentos mais agressivos na primeira quinzena de novembro, período que contará com a entrada da massa salarial na economia como elemento motivador da reposição entre atacado e varejo. “Com o final do ano, pico do consumo, se aproximando, restará saber qual será a capacidade do consumidor médio de absorver tantos reajustes”, pontua Iglesias.

Com isso, o corte traseiro subiu de R$ 19,50 o quilo para R$ 19,60 o quilo. O corte dianteiro passou de R$ 14,35 o quilo para R$ 14,40 o quilo, e a ponta de agulha subiu cinco centavos, indo a R$ 14,35 por quilo.

O dólar comercial encerrou a sessão em alta de 0,64%, sendo negociado a R$ 5,6310 para venda e a R$ 5,6290 para compra. Durante o dia, a moeda norte-americana oscilou entre a mínima de R$ 5,5660 e a máxima de R$ 5,6350. Na semana, a divisa acumulou queda de 0,25%.

Os preços do boi gordo voltaram a subir nesta sexta-feira, 23, em todas as regiões de produção e comercialização do país. Segundo o analista de Safras & Mercado, Fernando Henrique Iglesias, a nova rodada de alta nos preços ocorreu por conta da oferta muito restrita, principalmente de animais que cumprem os requisitos para exportação à China. “Não há indícios de alteração consistente na curva, com todos os fatores apontando o contrário”, diz o analista.

“A demanda doméstica também vai exercer um papel relevante durante o último bimestre, avaliando a entrada do 13º salário, abono de férias e outras bonificações como motivador do consumo. Importante destacar que esse consumo será inferior em relação a anos anteriores, no entanto, será o auge da demanda para este complicado ano de 2020”, assinala Iglesias.

Em São Paulo, Capital, os preços do mercado à vista ficaram em R$ 271 a arroba, ante R$ 269 – R$ 270 na quarta-feira. Em Uberaba, Minas Gerais, os preços ficaram em R$ 265 a arroba, contra R$ 264. Em Dourados, no Mato Grosso do Sul, os valores chegaram a R$ 263 a arroba, contra R$ 261 a arroba. Em Goiânia, Goiás, a cotação bateu R$ 260, ante R$ 254 – R$ 255. Já em Cuiabá, no Mato Grosso, o preço ficou em R$ 251 a arroba, ante R$ 249.

No mercado atacadista, os preços da carne bovina também subiram. De acordo com Iglesias, o indicativo é de aumentos mais agressivos na primeira quinzena de novembro, período que contará com a entrada da massa salarial na economia como elemento motivador da reposição entre atacado e varejo. “Com o final do ano, pico do consumo, se aproximando, restará saber qual será a capacidade do consumidor médio de absorver tantos reajustes”, pontua Iglesias.

Com isso, o corte traseiro subiu de R$ 19,50 o quilo para R$ 19,60 o quilo. O corte dianteiro passou de R$ 14,35 o quilo para R$ 14,40 o quilo, e a ponta de agulha subiu cinco centavos, indo a R$ 14,35 por quilo.

O dólar comercial encerrou a sessão em alta de 0,64%, sendo negociado a R$ 5,6310 para venda e a R$ 5,6290 para compra. Durante o dia, a moeda norte-americana oscilou entre a mínima de R$ 5,5660 e a máxima de R$ 5,6350. Na semana, a divisa acumulou queda de 0,25%.


Fonte Canal Rural

Mais Notícias

Governo de SP sanciona lei que retoma taxação ao agro a partir de 2021

24-11-2020

A partir do dia 1º de janeiro de 2021, alguns produtos e insumos agrícolas do estado de São Paulo vão passar a ser taxados. A medida aprovada nae sancionada pelo governador João Doria retira o benefício fiscal que isentava cobrança de  Impostos sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) sobre alguns itens, como fertilizantes, adubos e milho....

Leia mais...

Trigo: governo renova cota de importação de 750 mil t sem tarifa de fora do Mercosul

24-11-2020

A Câmara Brasileira de Comércio Exterior (CAMEX) renovou a cota de importação de 759 mil toneladas de trigo de fora do Mercosul. A medida, publicada no Diário Oficial da União, será valida até 17 de novembro de 2021.Em nota, a Secretaria de Comércio Exterior e Assuntos Internacionais afirmou que a decisão atende o compromisso firmado pelo Brasil ap...

Leia mais...

Confira 22 dicas da Embrapa para controle de pragas e plantas daninhas na soja

24-11-2020

A falta de chuvas tem atrasado os trabalhos de semeadura da soja, mas também tem favorecido a proliferação de pragas e plantas daninhas nas lavourasPor Daniel Popov, de São PauloO plantio da soja ainda não terminou no país devido a falta de chuvas em muitos estados. Essa condição climática tem sido um entrave não só para o término dos trabalhos, ma...

Leia mais...

‘Taxação de insumos agrícolas em SP prejudicará o Brasil como um todo’

24-11-2020

A taxação de produtos e insumos agrícolas pode ser uma tendência no Brasil após o estado de São Paulo ter sinalizado que essa medida será implementada a partir de 2021. Para o comentarista do Canal Rural, Miguel Daoud, a questão da tributação é um absurdo, já que a agropecuária é a única saída para a recuperação e crescimento econômico do país.R...

Leia mais...

Chuva retorna à região Sul e deve persistir por duas semanas

24-11-2020

Meteorologista da Somar alerta que as primeiras pancadas podem vir na forma de temporal com vento forte, raios e até granizoA indica mudança no padrão de chuva a partir desta quarta-feira, 25. Uma frente fria se aproxima da região Sul e deve provocar pancadas em áreas do Rio Grande do Sul próximas ao Uruguai e no extremo oeste gaúcho.A meteorologi...

Leia mais...

Ipea reduz projeção de crescimento da agropecuária em 2020

24-11-2020

O Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) revisou sua projeção de crescimento do Produto Interno Bruto da agropecuária em 2020 para 1,5%, ante a projeção anterior, informada em outubro, que indicava avanço de 1,9%. As estimativas revistas, do Grupo de Conjuntura da Diretoria de Estudos e Políticas Macroeconômicas (Dimac), estão na Nota de C...

Leia mais...

Índice de Preços ao Consumidor subiu 0,81% em novembro, maior variação desde 2015

24-11-2020

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo 15 (IPCA-15) subiu 0,81% em novembro, 0,13 ponto percentual (p.p.) abaixo da taxa de outubro (0,94%). Foi a maior variação para um mês de novembro desde 2015, quando o IPCA-15 foi de 0,85%, de acordo com No ano, o índice acumula alta de 3,13%. O acumulado dos últimos 12 meses é de 4,22%, acima dos 3,5...

Leia mais...

Soja: lucro do produtor pode chegar perto de 70% na safra 2020/2021

24-11-2020

Segundo analista da consultoria TF agroeconômica, exagerando, os custos de produção podem ficar perto dos R$ 80 por saca, mas valor recebido pelo grão supera os R$ 130Por Canal RuralO lucro dos produtores de soja na safra 2020/2021 deve chegar a quase 70%, aponta a consultoria TF agroeconômica. Segundo o analista Luiz Pacheco, a safra brasileira va...

Leia mais...

Com mercado avaliando transição de governo nos EUA, dólar recua e atinge R$ 5,40

24-11-2020

O dólar comercial opera em queda desde a abertura dos negócios, mas acima de R$ 5,40, acompanhando o exterior em meio ao ambiente mais otimista após a notícia de que a transição no governo dos Estados Unidos entre as administrações do presidente Donald Trump e do eleito Joe Biden começou, o que reduz as incertezas quanto a eleição do democrata.Às 9...

Leia mais...