24 Outubro 2020

China diz que EUA estão intimidando outros países por hegemonia

Escrito por 
Avalie este item
(0 votos)

O porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China disse nesta sexta, 23, que os Estados Unidos estariam intimidando outros países para tomarem partido sobre as relações com a China , mas que esses esforços não vão ter sucesso. Nesta semana,  a relação das duas potências ficou ainda mais tensa com a manifestação de apoio do presidente Jair Bolsonaro à reeleição do presidente Donald Trump.

Para o comentarista Miguel Daoud, o tema é delicado e, dependendo de como o Brasil agir poderá criar inimizade com uma das potências por “posicionamentos diplomáticos e políticos que não teriam sentido nenhum neste momento”.

“A China mudou o foco de sua política econômica. Ela continua comprando alimentos mesmo na crise e vai continuar por alguns anos. Se pegarmos hoje o PIB mundial, os EUA demandam 1/4 desse PIB. Imaginem, agora,  a China crescendo como está, tendo como paridade de PIB maior do que os EUA, ou seja, o poder de compra chinês já é maior do que o americano”, disse.

Segundo Daoud, a China vai determinar o consumo mundial pela dimensão da sua economia e pela dimensão da sua população. “A China é importante. Mas nós não estamos preparados para atender essa demanda, porque não temos o mapeamento geográfico do que vamos produzir. Essa demanda vai continuar, vai faltar produto internamente e o governo não tem outra saída a não ser isentar as importações”, completou.

Sobre as questões políticas, Daoud diz que muitas discussões são inúteis. “Temos pela frente um cenário muito otimista por um lado e problemas gravíssimos para o pagamento das nossas contas. O conjunto de tudo isso é que não teremos condições de atender toda essa demanda”, falou.

O porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China disse nesta sexta, 23, que os Estados Unidos estariam intimidando outros países para tomarem partido sobre as relações com a China , mas que esses esforços não vão ter sucesso. Nesta semana,  a relação das duas potências ficou ainda mais tensa com a manifestação de apoio do presidente Jair Bolsonaro à reeleição do presidente Donald Trump.

Para o comentarista Miguel Daoud, o tema é delicado e, dependendo de como o Brasil agir poderá criar inimizade com uma das potências por “posicionamentos diplomáticos e políticos que não teriam sentido nenhum neste momento”.

“A China mudou o foco de sua política econômica. Ela continua comprando alimentos mesmo na crise e vai continuar por alguns anos. Se pegarmos hoje o PIB mundial, os EUA demandam 1/4 desse PIB. Imaginem, agora,  a China crescendo como está, tendo como paridade de PIB maior do que os EUA, ou seja, o poder de compra chinês já é maior do que o americano”, disse.

Segundo Daoud, a China vai determinar o consumo mundial pela dimensão da sua economia e pela dimensão da sua população. “A China é importante. Mas nós não estamos preparados para atender essa demanda, porque não temos o mapeamento geográfico do que vamos produzir. Essa demanda vai continuar, vai faltar produto internamente e o governo não tem outra saída a não ser isentar as importações”, completou.

Sobre as questões políticas, Daoud diz que muitas discussões são inúteis. “Temos pela frente um cenário muito otimista por um lado e problemas gravíssimos para o pagamento das nossas contas. O conjunto de tudo isso é que não teremos condições de atender toda essa demanda”, falou.


Fonte Canal Rural

Mais Notícias

Mercado do boi gordo trava, e arroba permanece em R$ 281

23-11-2020

O mercado físico de boi gordo inicia a semana com preços acomodados nas principais praças de produção e comercialização do país. Segundo o analista de Safras & Mercado, Fernando Henrique Iglesias, alguns frigoríficos ainda tentam exercer pressão sobre o mercado no Centro-Oeste.“No entanto, existem fatores que podem alterar a dinâmica do m...

Leia mais...

Milho: demanda deve aumentar com feriado de Ação de Graças nos EUA

23-11-2020

O Dia de Ação de Graças, feriado mais importante nos Estados Unidos está se aproximando e a expectativa é de demanda aquecida devido ao grande consumo de perus. Enquanto isso, no Brasil, as vendas se mantém sem novos negócios.“Estamos na última semana do mês, pois temos um feriado relevante nos EUA. É praticamente o Natal dos americanos e serão 50 ...

Leia mais...

Região Sul terá semana quente e com chuvas de até 90 milímetros

23-11-2020

A região vai registrar temperatura com 5 °C acima da média e Rio Grande do Sul terá o retorno da chuva;  confira a previsãoA região vai registrar temperatura com 5 °C acima da média e Rio Grande do Sul terá o retorno da chuva;  confira a previsão Fonte Canal Rural

Leia mais...

RS: seca deixa produtores sem esperança e entidades pedem ajuda a ministra

23-11-2020

Créditos das imagens: Emerson Foguinho – SEAPDRPreocupadas com a situação que os agricultores e pecuaristas vivem diante de mais uma estiagem que assola o Rio Grande do Sul, a segunda em 2020, Fetag-RS, Farsul, Fecoagro, Emater e Famurs reuniram-se, através de videoconferência, com a ministra da Agricultura, Teresa Cristina, para entregar doc...

Leia mais...

‘Congresso de Marketing do Agro é oportunidade para fortalecer imagem do setor’

23-11-2020

Nesta terça-feira, 24, a partir das 8h, a Associação Brasileira de Marketing Rural (ABMRA), promove a 13ª edição do Congresso de Marketing do agro. Em 2020, além do tema principal, que será “O Marketing no Agro 4.0. Agregando Valor e Fortalecendo a Imagem do Setor”, o evento vai falar também sobre a importância da imagem do brasileiro perante aos s...

Leia mais...

Café: alta nos estoques pressiona cotações em Nova York

23-11-2020

O mercado ainda repercute as altas nos estoques de café indicando a recuperação da baixa de 20 anos registrada em 2020. O motivo seria uma mudança nos padrões de consumo durante a pandemia do novo coronavírus.Segundo o analista de mercado e agente da Terra Investimentos, João Santanella, o consumidor global aprendeu a beber e procurar mais o café b...

Leia mais...

Trigo: na reta final de colheita, preço sobe 18% no Rio Grande do Sul

23-11-2020

As negociações de trigo transcorrem de forma lenta, com preços elevados em relação à média histórica e moinhos aproveitando o maior volume de ofertas à medida que a colheita se aproxima do fim no Paraná e se acelera no Rio Grande do Sul, destaca a No Rio Grande do Sul a colheita do trigo se aproxima do final, com 97% da área colhida. As lavouras nã...

Leia mais...

Milho: oferta aumenta no Brasil, mas preços permanecem estáveis

23-11-2020

 O mercado brasileiro de milho abriu a semana mantendo cotações estáveis. Segundo o consultor de Safras & Mercado, Paulo Molinari, houve alguma melhora pontual na oferta em algumas regiões, mas no geral a estabilidade predominou.No Porto de Santos, a saca de milho foi negociada a R$ 76/83. No Porto de Paranaguá (PR), o valor foi de R$ 74,5...

Leia mais...

Daoud: É preciso definir uma política agrícola para os pequenos produtores

23-11-2020

Produtores rurais do Rio Grande do Sul estiveram reunidos com a ministra da Agricultura Tereza Cristina para pedir apoio sobre a estiagem que castiga os produtores do estado. Entre as demandas solicitadas, os produtores querem fazer replantio nas áreas afetadas com a seca, utilizando um novo financiamento do governo.Para o comentarista do Canal Rur...

Leia mais...