29 Outubro 2020

Leite: volume importado em outubro deve ser o maior dos últimos 13 anos

Escrito por 
Avalie este item
(0 votos)

O Brasil deve importar em outubro o maior volume de leite dos últimos 13 anos. De acordo com o sócio-diretor da Milkpoint, Valter Galan, afirma que as importações diárias neste mês estão crescendo 5% em relação a setembro, quando as internalizações já tinham sido as maiores desde setembro de 2016.

Galan explica que as importações de leite em outubro foram contratadas com um ou dois meses de defasagem. “O dólar de hoje influencia a importação daqui para frente, e a tendência é para queda dessas internalizações. Em julho, tivemos um preço no mercado interno bastante alto que, apesar do dólar, estimulou a competitividade dos produtos importados”, diz.

O sócio-diretor da Milkpoint afirma que as importações e o recuo do leite UHT e da mussarela afetaram o mercado de leite spot. “Tende, infelizmente, impactar o preço pago o produtor a partir do pagamento de novembro”.

A redução do auxílio emergencial e os preços altos na ponta do consumidor tendem a reduzir o consumo de lácteos, o que também deve pesar sobre os preços da matéria-prima, alerta Galan. “Também existe a perspectiva da entrada da safra de Minas Gerais e Goiás, aumentando o volume disponível até o fim do ano. Tudo isso faz com que o mercado aponte para uma redução de preço”, afirma.

A estimativa é de que o produtor receba cerca de R$ 2 por litro em novembro referente ao leite captado em outubro, segundo o analista. Para a virada do ano, as cotações podem recuar um pouco mais. “É difícil prever muito para frente, mas a gente pode ter sim um recuo um pouco maior”.

Para complicar ainda mais a situação do pecuarista, os insumos (farelo de soja e milho) estão bastante valorizados e o dólar mais alto desestimula a importação desses produtos. “O produtor tem uma situação bem desafiadora daqui para frente em termos de custo e gestão”, declara.

Galan diz que na tentativa de driblar os custos mais altos, produtores têm buscado substitutos, principalmente o farelo. “Existe no mercado um subproduto do etanol de milho chamado DDG que tem sido competitivo na substituição do farelo. O produtor precisa também olhar para dentro da sua fazenda e gerenciar pontos que podem ser atacados, por exemplo, vacas com problemas reprodutivos e vacas que produzem menos. É o momento de ajustar esses pontos e melhorar a gestão para enfrentar este momento mais difícil”, frisa.

O Brasil deve importar em outubro o maior volume de leite dos últimos 13 anos. De acordo com o sócio-diretor da Milkpoint, Valter Galan, afirma que as importações diárias neste mês estão crescendo 5% em relação a setembro, quando as internalizações já tinham sido as maiores desde setembro de 2016.

Galan explica que as importações de leite em outubro foram contratadas com um ou dois meses de defasagem. “O dólar de hoje influencia a importação daqui para frente, e a tendência é para queda dessas internalizações. Em julho, tivemos um preço no mercado interno bastante alto que, apesar do dólar, estimulou a competitividade dos produtos importados”, diz.

O sócio-diretor da Milkpoint afirma que as importações e o recuo do leite UHT e da mussarela afetaram o mercado de leite spot. “Tende, infelizmente, impactar o preço pago o produtor a partir do pagamento de novembro”.

A redução do auxílio emergencial e os preços altos na ponta do consumidor tendem a reduzir o consumo de lácteos, o que também deve pesar sobre os preços da matéria-prima, alerta Galan. “Também existe a perspectiva da entrada da safra de Minas Gerais e Goiás, aumentando o volume disponível até o fim do ano. Tudo isso faz com que o mercado aponte para uma redução de preço”, afirma.

A estimativa é de que o produtor receba cerca de R$ 2 por litro em novembro referente ao leite captado em outubro, segundo o analista. Para a virada do ano, as cotações podem recuar um pouco mais. “É difícil prever muito para frente, mas a gente pode ter sim um recuo um pouco maior”.

Para complicar ainda mais a situação do pecuarista, os insumos (farelo de soja e milho) estão bastante valorizados e o dólar mais alto desestimula a importação desses produtos. “O produtor tem uma situação bem desafiadora daqui para frente em termos de custo e gestão”, declara.

Galan diz que na tentativa de driblar os custos mais altos, produtores têm buscado substitutos, principalmente o farelo. “Existe no mercado um subproduto do etanol de milho chamado DDG que tem sido competitivo na substituição do farelo. O produtor precisa também olhar para dentro da sua fazenda e gerenciar pontos que podem ser atacados, por exemplo, vacas com problemas reprodutivos e vacas que produzem menos. É o momento de ajustar esses pontos e melhorar a gestão para enfrentar este momento mais difícil”, frisa.


Fonte Canal Rural

Mais Notícias

Trigo: na reta final de colheita, preço sobe 18% no Rio Grande do Sul

23-11-2020

As negociações de trigo transcorrem de forma lenta, com preços elevados em relação à média histórica e moinhos aproveitando o maior volume de ofertas à medida que a colheita se aproxima do fim no Paraná e se acelera no Rio Grande do Sul, destaca a No Rio Grande do Sul a colheita do trigo se aproxima do final, com 97% da área colhida. As lavouras nã...

Leia mais...

Milho: oferta aumenta no Brasil, mas preços permanecem estáveis

23-11-2020

 O mercado brasileiro de milho abriu a semana mantendo cotações estáveis. Segundo o consultor de Safras & Mercado, Paulo Molinari, houve alguma melhora pontual na oferta em algumas regiões, mas no geral a estabilidade predominou.No Porto de Santos, a saca de milho foi negociada a R$ 76/83. No Porto de Paranaguá (PR), o valor foi de R$ 74,5...

Leia mais...

Daoud: É preciso definir uma política agrícola para os pequenos produtores

23-11-2020

Produtores rurais do Rio Grande do Sul estiveram reunidos com a ministra da Agricultura Tereza Cristina para pedir apoio sobre a estiagem que castiga os produtores do estado. Entre as demandas solicitadas, os produtores querem fazer replantio nas áreas afetadas com a seca, utilizando um novo financiamento do governo.Para o comentarista do Canal Rur...

Leia mais...

Chuva abaixo da média? Veja o que esperar do clima entre dezembro e maio

23-11-2020

De acordo com meteorologistas, janeiro será o primeiro mês com chuva dentro do esperado para o Sul, que é castigado pela estiagemA mais recente previsão da Universidade de Colúmbia para o trimestre dezembro-janeiro-fevereiro indica abaixo da média no Sul e acima da média em boa parte do Norte e Nordeste. As regiões Sudeste e Centro-Oeste receberão...

Leia mais...

Soja: em forte queda, saca vai de R$ 185 para R$ 168 em Mato Grosso

23-11-2020

Por outro lado, as vendas da safra nova já tem preços mais altos, com a saca sendo negociada a R$ 150 no Rio Grande do SulPor Agência SafrasO mercado brasileiro de soja iniciou a semana travado. Os preços têm comportamento divergentes: no disponível as cotações estão cedendo, sem oferta e sem interesse. Na safra nova, as cotações sobem, batendo em ...

Leia mais...

Área colhida com cana-de-açúcar é a maior dos últimos cinco anos, diz Unica

23-11-2020

A estimativa de área colhida com cana-de-açúcar até outubro deste ano apresenta elevação de 1,2% no comparativo com o último ciclo agrícola, alcançando 7,099 milhões de hectares no Centro-Sul. Este é o maior avanço na área colhida das últimas cinco safras, favorecido pelo aproveitamento do tempo acima da média – no acumulado da safra 2020/202...

Leia mais...

Preço recebido pelo produtor rural sobe 11,89% em outubro, diz Farsul

23-11-2020

O Índice de Inflação dos Preços Recebidos pelos Produtores rurais (IIPR) em outubro registrou inflação de 11,89% em relação ao mês imediatamente anterior. A valorização dos preços é resultado da combinação da alta taxa de câmbio, menor oferta e demanda interna de alimentos aquecida, reflexo do Auxílio Emergencial, informa boletim mensal da .O IIPR ...

Leia mais...

Governo vai cobrar IPVA sobre máquinas agrícolas e tratores?

23-11-2020

A partir de março de 2021, produtores rurais que tenham máquinas agrícolas que precisam circular em vias públicas terão que registrá-las na Plataforma Digital de Registro e Gestão de Tratores e Equipamentos Agrícolas (ID Agro), “Ferramentas como essa – simples, sem custo para o agricultor, mas de grande valia – são o que queremos cada v...

Leia mais...

Governo vai cobrar IPVA sobre máquinas agrícolas e tratores?

23-11-2020

A partir de março de 2021, produtores rurais que tenham máquinas agrícolas que precisam circular em vias públicas terão que registrá-las na Plataforma Digital de Registro e Gestão de Tratores e Equipamentos Agrícolas (ID Agro), “Ferramentas como essa – simples, sem custo para o agricultor, mas de grande valia – são o que queremos cada v...

Leia mais...