29 Outubro 2020

Você sabe qual a função do gestor municipal nas demandas do agro?

Escrito por 
Avalie este item
(0 votos)

O primeiro turno das eleições municipais acontece no próximo dia 15 de novembro e, enquanto as campanhas dos candidatos a prefeito, vice-prefeito e vereador estão a todo vapor, você, produtor, sabe dizer como a escolha destes representantes pode influenciar o seu dia-a-dia de trabalho?

Ao ver os noticiários, é comum ter a impressão de que as regras e o futuro do agronegócio são decididos a partir de Brasília. Seja no ministério da agricultura, no Congresso Nacional ou na Presidência da República, mas não se engane: os debates começam na rotina das cidades e demandam atenção de prefeitos e vereadores. 

“É o poder público municipal que consegue resolver a maioria dos problemas próximos ao produtor rural. Vou dar um exemplo claro: um gestor público municipal tem que estar muito bem relacionado tanto entre os parlamentares, quanto no governo estadual e federal para conseguir recursos e maquinários para manter as estradas vicinais em condições para que o produtor possa escoar a  produção”, disse o presidente do Sindicato Rural de Alexânia (GO) e representante da , Armando Rolemberg.

Segundo ele, outro exemplo prático está na área de inspeção. “A gente teve recentemente a aprovação do Selo Arte no governo federal. Governo estadual regulamentou, mas cabe ao poder público municipal fazer a parte operacional no município e fazer com que o produtor consiga sair da clandestinidade para colocar seus produtos no mercado formal, fazendo com isso uma geração de riqueza no município e no estado, consequentemente”, completou.

Segundo o cientista político Leonardo Barreto, se o produtor rural tem interesse em uma determinada agenda, mesmo uma grande como a reforma tributária, ele pode fazer contato com o prefeito para que o prefeito se comunique com um deputado federal para consolidar a posição do setor sobre esse tema.  E são esses agentes transformadores que serão eleitos a partir do próximo dia 15.

De acordo com o Tribunal Superior Eleitoral (TSE), este ano foram recebidos quase 560 mil pedidos de candidatura para as eleições municipais de 2020. cerca de 20 mil foram para os cargos de prefeito e vice e o restante, a imensa maioria de mais de 500 mil candidaturas, foram para a posição de vereador. Do total de pedidos, cerca de 527 mil candidatos, 94% do total foram considerados aptos pelo tribunal a seguir na corrida eleitoral.

No site do TSE há uma página de divulgação de candidaturas e conta eleitorais. As informações estão divididas por regiões e, assim, o eleitor pode buscar os candidatos, analisar o perfil com detalhes, ter informações de gastos de campanha e acessar o plano de governo. Antes de fazer as escolhas, é importante lembrar que  prefeitos são responsáveis pela administração das cidades, enquanto os vereadores devem fiscalizar o trabalho do prefeito, propor leis e construir o orçamento municipal.

“Quando a gente vai fazer uma escolha eleitoral, o grande desafio dessa escolha é procurar e encontrar as informações que são necessárias para uma escolha consciente. O que diferencia uma boa de uma má escolha é que a boa escolha é aquela que sempre é mais fiel aos interesses que motivaram aquele voto. Se a pessoa quer um político mais ligado aos seus valores, mais liberal ou mais conservador, aí deve procurar na vida pregressa como esse político tem se posicionado em relação às questões. Aí entra muita investigação de vida privada”, disse o cientista político.

Segundo ele, caso a escolha seja por um candidato capaz de influenciar em Brasília, é preciso saber quais conexões ele possui com deputados estaduais e federais e qual a convivência dele dentro do partido. “Se você vai escolher um candidato novo, de primeira viagem, que entrou agora no partido, ele provavelmente não é alguém muito entrosado em Brasília, então a partir daí você consegue tomar as suas decisões. Se você procura um gestor que queira apenas tocar a vida da cidade, ai você tem que buscar qual experiência profissional ele tem. Então ele já foi administrador de empresas? Ele já foi gestor?”, explicou.

Apesar de ainda estarmos no período eleitoral, lideranças alertam que é preciso participar da gestão municipal depois das eleições. Segundo o presidente da Confederação Nacional dos Trabalhadores na Agricultura (Contag), Aristides Santos, é preciso prestar atenção no controle da gestão pública. “A maior parte das gestões são muito centralizadas. Os vereadores não fiscalizam direito porque participam, às vezes por maioria, com o prefeito e relaxam no seu papel principal que é de fiscalizador. A Contag tem feito todo esse debate mostrando para sociedade escolher vereador e vereadoras que tenham condições de exercer o mandato como fiscal da prefeitura, do recurso público”, disse.

Para Santos, independente de estar alinhado com a prefeitura, é preciso fiscalizar. “Os conselhos são importantes: da merenda, da educação, da saúde. E o cidadão que participa desses conselhos precisa fazer sua parte de gestão do controle social para saber se o dinheiro público está bem aplicado. Com maior participação popular, nós vamos ter gestões mais democráticas, mais eficientes e muito mais cuidadosas com a implementação de gastos do dinheiro público”.

Armando Rolemberg, do sindicato de Alexânia, explica que a entidade tem o dever de representar o produtor e dialogar com o gestor eleito, para que sejam analisadas as dificuldades do setor e que gargalos possam ser superados. “ Nosso trabalho vai desde buscar parlamentares que o sindicato tenha proximidade do agro para trazer recursos paro município até o levantamento de informações para que o prefeito possa resolver e contribuir com parcerias em geral”, disse.

Para o cientista político Leonardo Barreto, o período eleitoral é interessante para a promoção do debate público e colocar em pautas questões relevantes para a cidade. “Esse é o momento de arrancar compromissos. A palavra deles na solução de problemas A e B, porque isso que vai te dar condições de pressionar o eleito depois que ele toma posse”, finalizou.

O primeiro turno das eleições municipais acontece no próximo dia 15 de novembro e, enquanto as campanhas dos candidatos a prefeito, vice-prefeito e vereador estão a todo vapor, você, produtor, sabe dizer como a escolha destes representantes pode influenciar o seu dia-a-dia de trabalho?

Ao ver os noticiários, é comum ter a impressão de que as regras e o futuro do agronegócio são decididos a partir de Brasília. Seja no ministério da agricultura, no Congresso Nacional ou na Presidência da República, mas não se engane: os debates começam na rotina das cidades e demandam atenção de prefeitos e vereadores. 

“É o poder público municipal que consegue resolver a maioria dos problemas próximos ao produtor rural. Vou dar um exemplo claro: um gestor público municipal tem que estar muito bem relacionado tanto entre os parlamentares, quanto no governo estadual e federal para conseguir recursos e maquinários para manter as estradas vicinais em condições para que o produtor possa escoar a  produção”, disse o presidente do Sindicato Rural de Alexânia (GO) e representante da , Armando Rolemberg.

Segundo ele, outro exemplo prático está na área de inspeção. “A gente teve recentemente a aprovação do Selo Arte no governo federal. Governo estadual regulamentou, mas cabe ao poder público municipal fazer a parte operacional no município e fazer com que o produtor consiga sair da clandestinidade para colocar seus produtos no mercado formal, fazendo com isso uma geração de riqueza no município e no estado, consequentemente”, completou.

Segundo o cientista político Leonardo Barreto, se o produtor rural tem interesse em uma determinada agenda, mesmo uma grande como a reforma tributária, ele pode fazer contato com o prefeito para que o prefeito se comunique com um deputado federal para consolidar a posição do setor sobre esse tema.  E são esses agentes transformadores que serão eleitos a partir do próximo dia 15.

De acordo com o Tribunal Superior Eleitoral (TSE), este ano foram recebidos quase 560 mil pedidos de candidatura para as eleições municipais de 2020. cerca de 20 mil foram para os cargos de prefeito e vice e o restante, a imensa maioria de mais de 500 mil candidaturas, foram para a posição de vereador. Do total de pedidos, cerca de 527 mil candidatos, 94% do total foram considerados aptos pelo tribunal a seguir na corrida eleitoral.

No site do TSE há uma página de divulgação de candidaturas e conta eleitorais. As informações estão divididas por regiões e, assim, o eleitor pode buscar os candidatos, analisar o perfil com detalhes, ter informações de gastos de campanha e acessar o plano de governo. Antes de fazer as escolhas, é importante lembrar que  prefeitos são responsáveis pela administração das cidades, enquanto os vereadores devem fiscalizar o trabalho do prefeito, propor leis e construir o orçamento municipal.

“Quando a gente vai fazer uma escolha eleitoral, o grande desafio dessa escolha é procurar e encontrar as informações que são necessárias para uma escolha consciente. O que diferencia uma boa de uma má escolha é que a boa escolha é aquela que sempre é mais fiel aos interesses que motivaram aquele voto. Se a pessoa quer um político mais ligado aos seus valores, mais liberal ou mais conservador, aí deve procurar na vida pregressa como esse político tem se posicionado em relação às questões. Aí entra muita investigação de vida privada”, disse o cientista político.

Segundo ele, caso a escolha seja por um candidato capaz de influenciar em Brasília, é preciso saber quais conexões ele possui com deputados estaduais e federais e qual a convivência dele dentro do partido. “Se você vai escolher um candidato novo, de primeira viagem, que entrou agora no partido, ele provavelmente não é alguém muito entrosado em Brasília, então a partir daí você consegue tomar as suas decisões. Se você procura um gestor que queira apenas tocar a vida da cidade, ai você tem que buscar qual experiência profissional ele tem. Então ele já foi administrador de empresas? Ele já foi gestor?”, explicou.

Apesar de ainda estarmos no período eleitoral, lideranças alertam que é preciso participar da gestão municipal depois das eleições. Segundo o presidente da Confederação Nacional dos Trabalhadores na Agricultura (Contag), Aristides Santos, é preciso prestar atenção no controle da gestão pública. “A maior parte das gestões são muito centralizadas. Os vereadores não fiscalizam direito porque participam, às vezes por maioria, com o prefeito e relaxam no seu papel principal que é de fiscalizador. A Contag tem feito todo esse debate mostrando para sociedade escolher vereador e vereadoras que tenham condições de exercer o mandato como fiscal da prefeitura, do recurso público”, disse.

Para Santos, independente de estar alinhado com a prefeitura, é preciso fiscalizar. “Os conselhos são importantes: da merenda, da educação, da saúde. E o cidadão que participa desses conselhos precisa fazer sua parte de gestão do controle social para saber se o dinheiro público está bem aplicado. Com maior participação popular, nós vamos ter gestões mais democráticas, mais eficientes e muito mais cuidadosas com a implementação de gastos do dinheiro público”.

Armando Rolemberg, do sindicato de Alexânia, explica que a entidade tem o dever de representar o produtor e dialogar com o gestor eleito, para que sejam analisadas as dificuldades do setor e que gargalos possam ser superados. “ Nosso trabalho vai desde buscar parlamentares que o sindicato tenha proximidade do agro para trazer recursos paro município até o levantamento de informações para que o prefeito possa resolver e contribuir com parcerias em geral”, disse.

Para o cientista político Leonardo Barreto, o período eleitoral é interessante para a promoção do debate público e colocar em pautas questões relevantes para a cidade. “Esse é o momento de arrancar compromissos. A palavra deles na solução de problemas A e B, porque isso que vai te dar condições de pressionar o eleito depois que ele toma posse”, finalizou.


Fonte Canal Rural

Mais Notícias

Mercado do boi gordo trava, e arroba permanece em R$ 281

23-11-2020

O mercado físico de boi gordo inicia a semana com preços acomodados nas principais praças de produção e comercialização do país. Segundo o analista de Safras & Mercado, Fernando Henrique Iglesias, alguns frigoríficos ainda tentam exercer pressão sobre o mercado no Centro-Oeste.“No entanto, existem fatores que podem alterar a dinâmica do m...

Leia mais...

Milho: demanda deve aumentar com feriado de Ação de Graças nos EUA

23-11-2020

O Dia de Ação de Graças, feriado mais importante nos Estados Unidos está se aproximando e a expectativa é de demanda aquecida devido ao grande consumo de perus. Enquanto isso, no Brasil, as vendas se mantém sem novos negócios.“Estamos na última semana do mês, pois temos um feriado relevante nos EUA. É praticamente o Natal dos americanos e serão 50 ...

Leia mais...

Região Sul terá semana quente e com chuvas de até 90 milímetros

23-11-2020

A região vai registrar temperatura com 5 °C acima da média e Rio Grande do Sul terá o retorno da chuva;  confira a previsãoA região vai registrar temperatura com 5 °C acima da média e Rio Grande do Sul terá o retorno da chuva;  confira a previsão Fonte Canal Rural

Leia mais...

RS: seca deixa produtores sem esperança e entidades pedem ajuda a ministra

23-11-2020

Créditos das imagens: Emerson Foguinho – SEAPDRPreocupadas com a situação que os agricultores e pecuaristas vivem diante de mais uma estiagem que assola o Rio Grande do Sul, a segunda em 2020, Fetag-RS, Farsul, Fecoagro, Emater e Famurs reuniram-se, através de videoconferência, com a ministra da Agricultura, Teresa Cristina, para entregar doc...

Leia mais...

‘Congresso de Marketing do Agro é oportunidade para fortalecer imagem do setor’

23-11-2020

Nesta terça-feira, 24, a partir das 8h, a Associação Brasileira de Marketing Rural (ABMRA), promove a 13ª edição do Congresso de Marketing do agro. Em 2020, além do tema principal, que será “O Marketing no Agro 4.0. Agregando Valor e Fortalecendo a Imagem do Setor”, o evento vai falar também sobre a importância da imagem do brasileiro perante aos s...

Leia mais...

Café: alta nos estoques pressiona cotações em Nova York

23-11-2020

O mercado ainda repercute as altas nos estoques de café indicando a recuperação da baixa de 20 anos registrada em 2020. O motivo seria uma mudança nos padrões de consumo durante a pandemia do novo coronavírus.Segundo o analista de mercado e agente da Terra Investimentos, João Santanella, o consumidor global aprendeu a beber e procurar mais o café b...

Leia mais...

Trigo: na reta final de colheita, preço sobe 18% no Rio Grande do Sul

23-11-2020

As negociações de trigo transcorrem de forma lenta, com preços elevados em relação à média histórica e moinhos aproveitando o maior volume de ofertas à medida que a colheita se aproxima do fim no Paraná e se acelera no Rio Grande do Sul, destaca a No Rio Grande do Sul a colheita do trigo se aproxima do final, com 97% da área colhida. As lavouras nã...

Leia mais...

Milho: oferta aumenta no Brasil, mas preços permanecem estáveis

23-11-2020

 O mercado brasileiro de milho abriu a semana mantendo cotações estáveis. Segundo o consultor de Safras & Mercado, Paulo Molinari, houve alguma melhora pontual na oferta em algumas regiões, mas no geral a estabilidade predominou.No Porto de Santos, a saca de milho foi negociada a R$ 76/83. No Porto de Paranaguá (PR), o valor foi de R$ 74,5...

Leia mais...

Daoud: É preciso definir uma política agrícola para os pequenos produtores

23-11-2020

Produtores rurais do Rio Grande do Sul estiveram reunidos com a ministra da Agricultura Tereza Cristina para pedir apoio sobre a estiagem que castiga os produtores do estado. Entre as demandas solicitadas, os produtores querem fazer replantio nas áreas afetadas com a seca, utilizando um novo financiamento do governo.Para o comentarista do Canal Rur...

Leia mais...